sexta-feira, 15 de julho de 2022

Mais 3 extensões para Gnome-Shell para deixar o seu desktop mais charmoso

 Mais 3 extensões para Gnome-Shell para deixar o seu desktop mais charmoso

Vimos aqui nesse link como mudar o visual do Debian (e serve também para outras distribuições), onde vemos como instalar alguns temas de ícones, shell e cursores de mouse, além de habilitar as extensões para Gnome-Shell e, juntando tudo, temos um desktop mais ou menos assim:


O item com hora e tal é dado pelo Conky que pode ser visto aqui. O resto é conseguido com as extensões de Gnome-Shell Dash To Dock (dock de aplicativos ao estilo MacOS), Desktop Icons (para habilitar os ícones no desktop, retirado do Gnome-Shell) e o Simple System Monitor (que mostra informações do sistema na barra superior). Agora vamos ver mais 3 extensões interessantes para o Gnome-Shell.


Essa extensão adiciona um efeito ao estilo Compiz Fusion de seleção de janelas de aplicativos através das teclas Alt+Tab, onde as janelas vão sendo selecionadas com elas deslizando no desktop em modo "quase" 3D ao invés de aparecer as janelas de modo plano. Só funciona com as teclas Alt+Tab, já que a visualização das janelas usando os cantos de tela ou de seleção no dock lateral (se existir) se dará no modo tradicional.


Open Weather


Essa extensão adiciona uma previsão de tempo e visualização das condições climáticas na barra superior do Gnome.

APP Grid Tweak


Essa extensão permite que o usuário tenha mais opções de espaço de ícones no dash de aplicativos, que normalmente é de 6 colunas e 4 linhas, aumentando o número de colunas x linhas e também diminuindo o tamanho dos ícones e dando certos efeitos de visualização nas fontes dos rótulos.

terça-feira, 12 de julho de 2022

A nova configuração de script do Conky no Debian

 As novas configurações de scripts do Conky no Debian e outras distribuições

Como já era esperado, o (ou os) arquivo de configuração padrão do Conky teve algumas mudanças efetuadas e a efetivação de scripts mais antigos acabam não funcionando direito, dando muitos erros quando rodamos o Conky no Terminal.

Antes o basicão (início de configuração) seria assim:

# 9ooo1_simple_conkyrc_v0.2

# --- Window Layout & Options --- #
own_window yes
own_window_colour brown
own_window_transparent yes
own_window_type override
own_window_transparent yes
own_window_hints undecorated,below,sticky,skip_taskbar,skip_pager
double_buffer yes
use_spacer right
use_xft yes
alignment top_right
gap_x 10
gap_y 30

# --- Colours, Sizes, Fonts & Margins --- #
update_interval 1.0
maximum_width 260
stippled_borders 3
border_margin 9
border_width 10
default_color B1B1B1

# --- Text --- #
draw_outline no
draw_borders no
font Arial:size=9:weight=bold
uppercase no
draw_shades yes

TEXT

E o resto do script vem depois do item "TEXT". Agora seria algo assim:

conky.config = {
    alignment = 'top_right',
    background = false,
    border_width = 1,
    cpu_avg_samples = 2,
    default_color = 'white',
    default_outline_color = 'white',
    default_shade_color = 'white',
    draw_borders = false,
    draw_graph_borders = true,
    draw_outline = false,
    draw_shades = false,
    use_xft = true,
    font = 'Arial:size=10',
    gap_x = 5,
    gap_y = 40,
    minimum_height = 5,
    minimum_width = 5,
    net_avg_samples = 2,
    double_buffer = true,
    out_to_console = yes,
    out_to_ncurses = false,
    out_to_stderr = false,
    out_to_x = true,
    extra_newline = false,
    own_window = true,
    own_window_class = 'semi-conky',
    own_window_type = 'normal',
    own_window_transparent = true,
    stippled_borders = 0,
    update_interval = 1.0,
    uppercase = false,
    use_spacer = 'none',
    show_graph_scale = true,
    show_graph_range = true,
    own_window_argb_visual = true,
    own_window_argb_value = 0,
    total_run_times = 0,
    own_window_hints = 'below,undecorated,skip_taskbar'
}

conky.text = [[ ]]

onde o conteúdo do que vai mostrado na tela fica entre os caracteres "[[ ]]". Por exemplo:

conky.config = {
    alignment = 'top_right',
    background = false,
    border_width = 1,
    cpu_avg_samples = 2,
    default_color = 'white',
    default_outline_color = 'white',
    default_shade_color = 'white',
    draw_borders = false,
    draw_graph_borders = true,
    draw_outline = false,
    draw_shades = false,
    use_xft = true,
    font = 'Arial:size=10',
    gap_x = 5,
    gap_y = 40,
    minimum_height = 5,
    minimum_width = 5,
    net_avg_samples = 2,
    double_buffer = true,
    out_to_console = yes,
    out_to_ncurses = false,
    out_to_stderr = false,
    out_to_x = true,
    extra_newline = false,
    own_window = true,
    own_window_class = 'semi-conky',
    own_window_type = 'normal',
    own_window_transparent = true,
    stippled_borders = 0,
    update_interval = 1.0,
    uppercase = false,
    use_spacer = 'none',
    show_graph_scale = true,
    show_graph_range = true,
    own_window_argb_visual = true,
    own_window_argb_value = 0,
    total_run_times = 0,
    own_window_hints = 'below,undecorated,skip_taskbar'
}

conky.text = [[
${alignc}${time %A}, ${time %e} de ${time %b} de ${time %G}

Hostname: $nodename
Sistema: $sysname $kernel kernel $machine

${color grey}Tempo ligado:$color $uptime

${color grey}Memória RAM:$color $mem/$memmax - $memperc% ${membar 
4}
${color grey}Arquivo Swap:$color $swap/$swapmax - $swapperc% ${swapbar 4}
${color grey}Sistema de arquivos:
/ $color${fs_used /}/${fs_size /} ${fs_bar 6 /}

${color grey}Uso da CPU:$color $cpu% ${cpubar 4}
${cpugraph cpu1 25,260,260 000000 93C9EB}

${color grey}Processos:$color $processes  ${color 
grey}Rodando:$color $running_processes

${alignc}${color grey}Rede
${alignc}Endereço de rede: (${addr em0}) #Mude conforme o nome  da sua interface de rede)

${alignc}Estatísticas de tráfego
${alignc}${exec vnstat -i em0 | grep rx:}

Down:$color ${downspeed em0}
Total da sessão: ${totaldown em0}
${downspeedgraph em0 25,170 00000 93C9EB}
Up:$color ${upspeed em0} ${color grey}
Total da sessão: ${totalup em0}
${upspeedgraph em0 25,170 00000 93C9EB}

${color grey}Nome              PID   CPU%   MEM%

${color lightgrey} ${top name 1} ${top pid 1} ${top cpu 1} ${top mem 1}
${color lightgrey} ${top name 2} ${top pid 2} ${top cpu 2} ${top mem 2}
${color lightgrey} ${top name 3} ${top pid 3} ${top cpu 3} ${top mem 3}
${color lightgrey} ${top name 4} ${top pid 4} ${top cpu 4} ${top mem 4}
]]

Então o que seria mostrado seria algo assim:


Lógico que com um pouco de trabalho e pesquisa é possível deixar a janela do Conky bem mais atraente e há muitos exemplos de scripts de Conky na internet prontos para baixar. O arquivo configuração do Conky é o .conkyrc que está na raiz da pasta pessoal do usuário (~/.conkyrc). Para usar esse arquivo, basta digitar no Terminal "conky"; já para usar um arquivo diferenciado, o comando seria conky -c caminho do script.

Um dos scripts para uso gera esse Conky aqui:


No desktop ficaria nessa posição:


Para colocá-lo em outras posições, tamanhos de fontes, cores e outras informações mostradas na tela vai depender de mudanças feitas no script original, então isso vai depender da paciência de cada usuário para testar, por exemplo, linhas de comandos de outros scripts de conky mais antigos e adequá-los de modo a termos o resultado que queremos. Então aqui vou disponibilizar o meu script adaptado de outro mais simples que eu achei na Internet. Abra o Terminal e, como usuário normal, digite:

nano ~/.conkyrc <ENTER>

Copie e cole esse conteúdo. Só lembrando que a parte de rede talvez seja necessário a mudança de parâmetro na parte de rede do script, como mudar o nome da interface de rede de enp1s0 para em0 ou eth0, de acordo com o que seria mostrado digitando o comando ifconfig para saber qual é o nome da interface de rede da sua máquina. 

--[[

# Conky minimalista 1.0

# Author: Sidnei Serra adaptado de archit3x

# Lançamento: Julho de  2022

# Testado no Debian 11 - Gnome 3.38

# Email: sidserra@hotmail.com

]]

conky.config = {

    alignment = 'top_right',

    background = true,

    border_width = 1,

    cpu_avg_samples = 2,

    default_color = 'gray',

    default_outline_color = 'white',

    default_shade_color = 'white',

    color1 = '#1793d1',

    double_buffer = true,

    draw_borders = false,

    draw_graph_borders = true,

    draw_outline = false,

    draw_shades = false,

    extra_newline = false,

    font = 'Roboto Mono:size=7',

    gap_x =30,

    gap_y =30,

    minimum_height =250,

    minimum_width = 220,

    net_avg_samples = 2,

    no_buffers = true,

    out_to_console = false,

    out_to_ncurses = false,

    out_to_stderr = false,

    out_to_x = true,

    own_window = true,

    own_window_class = 'Conky',

    own_window_transparent = true,

    own_window_argb_visual = true,

    own_window_type = 'desktop',

    own_window_hints ='undecorated,sticky,skip_taskbar,skip_pager,below',

    show_graph_range = false,

    show_graph_scale = false,

    stippled_borders = 0,

    update_interval = 1.0,

    uppercase = false,

    use_spacer = 'none',

    use_xft = true,

}

conky.text = [[

${voffset 10}${color EAEAEA}${font GE Inspira:pixelsize=120}${time %I:%M}${font}${voffset -84}${offset 10}${color 039F4A}${font GE Inspira:pixelsize=42}${time %d} ${voffset -15}${color EAEAEA}${font GE Inspira:pixelsize=22}${time  %B} ${time %Y}${font}${voffset 24}${font GE Inspira:pixelsize=58}${offset -148}${time %A}${font}


${voffset 1}${offset 35}${font Ubuntu:pixelsize=12}${color 039F4A}HD ${offset 9}$color Livre: ${fs_free /} (${fs_free_perc /})% - Usada: ${fs_used /} (${fs_used_perc})% - Total: ${fs_size /} ${offset 30}${color 039F4A}CPU ${offset 9}$color${cpu cpu0}%

${offset 100}${color 039F4A}RAM ${offset 9} ${color}Usada: $mem - Livre: $memfree - Total $memmax

Endereço de rede: (${addr enp1s0}) - Total da sessão: ${totaldown enp1s0} - Uptime: $uptime

Estatísticas de tráfego de ${time %B}:${alignc}${exec vnstat -i enp1s0 | grep rx:}

${offset 30}${execi 99999 cat /proc/cpuinfo | grep "model name" -m1 | cut -d":" -f2 | cut -d" " -f2- | sed 's#Processor ##'} - Frequência: ${freq_g 2}GHz - ${execi 30 sensors | grep 'edge' | cut -c16-21}C

${voffset 1}${offset 120}${font GE Inspira:pixelsize=32}${color EAEAEA}Debian 11 Bullseye



]] 

Os parágrafos (espaçados por linhas em branco) deverão estar em uma linha só como mostra as cores (acima), conforme a imagem abaixo:


Depois de colado, basta salvar o arquivo, abrir o conky e ir testando posições de textos e linhas até ficar de modo uniforme de acordo com a sua máquina. Dá trabalho mas vale a pena.

Há muitos mais exemplos por aí que podem ser baixados e tentados; para mim, este está de bom tamanho.

segunda-feira, 21 de março de 2022

"Debloatando" o Windows 10 e 11

"Debloatando" o Windows 10 e 11

Fazer "debloat" ou, aportuguesando para o verbo "debloatar", significa tirar aplicações que não usamos e efetuar configurações mais sofisticadas em um sistema operacional de modo a poupar espaço e recursos da máquina para deixá-la mais produtiva. Podemos "debloatar" manualmente o sistema desinstalando uma por uma as aplicações que não precisamos (ou achamos que não) e, desde que se saiba o que está fazendo, alterar configurações do sistema.

Há vários aplicativos de otimização de sistemas para esse fim mas, infelizmente, costumam colocar mais besteiras na máquina do que o programa consegue tirar do sistema, muitas vezes inserem programas secundários de monitoramento de uso da máquina pelo usuário e mandam essas informações para o desenvolvedor de modo que se crie um registro das atividades de internet e de uso de programas do usuário para depois este receber propaganda direcionada.

Há também vários desenvolvedores por aí que criam ferramentas para "debloatar" sistemas e, nesse caso, vamos ver o Windows ToolBox. Ele é um script que deve ser rodado no Windows 10 e 11 via Power Shell em modo administrador e, por conta disso, deve-se tomar cuidado no uso dessa ferramenta (e de outras do tipo) para você não ferrar o seu sistema. Então, antes de usá-la, crie um ponto de restauração digitando na procura do Windows 10 e 11 por "criar ponto de restauração":


Uma vez criado o ponto clicando no botão Criar, abra o Power Shell em modo administrador e digite (ou copie e cole) o seguinte comando em vermelho:

iex((New-Object System.Net.WebClient).DownloadString('https://ps.microsoft-toolbox.workers.dev')) <ENTER>



Vai abrir a janela do script em forma de interface gráfica com as várias opções:



Vamos à elas:



Na janela de cima vemos o item de System Tweak é o que podemos chamar de propósito do programa. Basta apertar o botão Debloat e aguardar o fim dos trabalhos de otimização do sistema. A opção Boost dá aquela guaribada no registro e nos serviços que estão rodando no Windows. Em Other Options você pode remover o OneDrive caso você não o use e também o MS Store. Outras opções é desligar as animações consideradas "frescas" para deixar o sistema mais fluído. As outras opções podem ser experimentadas.



Na janela de cima temos a opção você poder desabilitar ou não o assistente Cortana e demais itens mostrados nos botões de enable e disable. Basicamente pode deixar esses itens prá lá e não clicar em nada.



Na janela de cima temos uma espécie de bônus para a ativação do Windows e do MS Office  (SE funcionar, hehehe), o resto é punhetagem.



E no fundão do programa temos as opções de restaurar (ou "rebloatar") as otimizações feitas no uso do programa, como reinstalar o MS Store, o OneDrive e os Blotwares que retiramos. O programa em si é bem legal de ser usado MAS não esqueça de criar o ponto de restauração do modo convencional (não use o programa) antes de começar a mexer nas entranhas do seu sistema. Como diz a Lei de Murphy, se algo puder dar errado, vai dar errado...

Só um detalhe, li muitos relatos que essa ferramenta é um malware, cujo conteúdo pode ser alterado por outras pessoas que tenham acesso aos destinos dos scripts dessa ferramenta, talvez por esse acesso o script possa ter se tornado "venenoso". Quando usei há meses atrás não vi nenhum comportamento anômalo das máquinas que foram "debloatadas" e, como já disse, só posto coisas aqui depois de testá-las por algum tempo. Mas vale a lida nas matérias:

https://news.thewindowsclub.com/windows-toolbox-from-github-is-malicious-uninstall-it-asap-106904/

https://www.bleepingcomputer.com/news/security/windows-11-tool-to-add-google-play-secretly-installed-malware/



domingo, 20 de março de 2022

Dá para usar o Windows 7 nos dias de hoje?

 Dá para usar o Windows 7 nos dias de hoje?


A Microsoft decretou o fim ao suporte do Windows 7 lá em mais ou menos 2020 para forçar (corretamente) o usuário a migrar para uma versão mais nova do sistema e fez isso dando "de graça" a atualização de um sistema para o outro DESDE QUE o sistema anterior fosse genuíno. Com isso tínhamos upgrades do Windows 7 para o 10, como temos hoje do Windows 10 para o 11 observando a compatibilidade de hardware exigido pelo Windows 11 para poder ser instalado.


O principal problema do uso do W7 nem chega a ser o fim desse suporte mas sim devido aos certificados de segurança do sistema que simplesmente expiraram, afetando tanto a navegação de internet:


 quanto a instalação de programas:


Mas o Windows 7 ainda tem muita lenha pra queimar, é um sistema leve e ótimo para aquelas máquinas pererecas que se dizem "PC Gamers" e que só tem luzinhas piscando e custam menos de 1500 pratas, sem dizer que tudo que é hardware (mesmo os mais novos) tem suas versões de drivers de dispositivo para o Windows 7. O problema pode ficar a cargo de certos complementos do Windows (como o Dot.Net Framework 3.5 ou 4.7) que podem não estar disponíveis "oficialmente" no site da Microsoft mas podem ser baixados e instalados "por fora" sem nenhum problema. Com o Windows 7 você se livra daquela poluição visual dos Windows 8 e 10 com aqueles blocos chupando banda de internet.

E pelos grandes serviços que o Windows 7 pode fazer por quem opta por utilizá-lo, há pessoas que criam instalações personalizadas do Windows 7 já sem essas "dificuldades técnicas" de falta de suporte ao sistema, tornando o sistema plenamente utilizável apesar das eventuais falhas de segurança que podem ainda existir (e existem...) no Windows 7.

Eu sempre fui meio reticente no uso de sistemas customizados já que essas remasterizações de instalações personalizadas podem ter embutidas dentro delas alguma "gracinha" como keyloggers e programas de invasão muito bem camuflados; então, é mais garantido (e trabalhoso) pegar uma ISO oficial que se acha por aí nos torrents da vida e ter o trabalho de tornar o sistema utilizável. Ou você pode arriscar e baixar uma ISO já configurada para uso direto, bastando instalar a mesma no seu PC, instalar os drivers e ter o Windows 7 novamente funcional.

Eu estava procurando um lance desses e dei de cara com esse site (ou aqui) que disponibiliza uma versão do Windows customizada e pronta para uso, bastando apenas ter que ativar o Windows.


O sistema vem peladão mas com atalhos para a instalação de navegadores de internet e outros programas e, o melhor, sem problemas de certificados e instalação de programas, um Windows totalmente funcional e até onde pude ver limpo de "impurezas". Essa versão é a Windows 7 Professional, a mais comum de se ver por aí e agora vamos ver como ativar o Windows. Abra o prompt de comando como administrador e digite:

slmgr.vbs -upk <ENTER>


slmgr.vbs -ipk "o serial da sua versão do Windows 7" sem as aspas. Como esse em particular é o W7 Professional, então:

slmgr.vbs -ipk FJ82H-XT6CR-J8D7P-XQJJ2-GPDD4 <ENTER>


slmgr.vbs -skms kms.cangshui.net <ENTER>


slmgr.vbs -ato <ENTER>


slmgr.vbs -dlv <ENTER>


Pronto, produto registrado. Agora é só usar o sistema pois ele ainda é plenamente funcional com quase todos os programas que rodam no Windows 11 e 10. E se botar em um disco SSD então, vai voar...

sábado, 13 de novembro de 2021

Como instalar e ativar o Windows 11 em máquinas compatíveis ou não

Como instalar e ativar o Windows 11 em máquinas compatíveis ou não

O conteúdo de instalação está nesse vídeo abaixo do meu canal:


Para ativar o Windows, conecte na Internet, abra o Prompt de Comando como administrador e digite os seguintes comandos:

cscript slmgr.vbs /ipk "o serial da sua instalação sem as aspas" <ENTER>

Se na instalação você já digitou um serial válido, não é necessário fazer o comando acima. Se não tiver o serial, use o seguinte comando para instalar a versão Home do Windows 11:

cscript slmgr.vbs /ipk TX9XD-98N7V-6WMQ6-BX7FG-H8Q99 <ENTER>

Lembrando, só faça o comando acima caso não tenha digitado um serial válido na instalação do sistema. A ISO de instalação vem com todas as versões do Windows 11 e a que vai ser instalada é escolhida de acordo com o serial que você digitar na instalação. Se você não digitar um serial no início, uma janela com as versões do Windows 11 aparecerá para você escolher qual deseja instalar e aí sim você precisará de um serial daquela versão que você escolheu. Um serial da versão Home não serve para a versão Pro. Depois disso (se teve a necessidade):

cscript slmgr.vbs /skms kms.lotro.cc <ENTER>

cscript slmgr.vbs /ato <ENTER>

Se o último comando der que não foi possível contatar o servidor e tal, repita o comando até que apareça a mensagem de que seu Windows foi ativado.